Censo da agropecuária, uma das coisas mais importantes do país

Final do ano, virada do ano. Uma das coisas muito importantes foi comandada pelo economista Paulo Rabello de Castro quando presidia o IBGE, foi a luta para realizar o censo agropecuário. E o censo nos permite ler nas linhas e nas suas entrelinhas fatos concretos para decisões no campo da agropecuária no país. Algumas observações:…

27 de dezembro de 2019 às 19h54

Paulo Rabello de Castro, economista brasileiro responsável pelo Censo Agropecuário

Final do ano, virada do ano. Uma das coisas muito importantes foi comandada pelo economista Paulo Rabello de Castro quando presidia o IBGE, foi a luta para realizar o censo agropecuário. E o censo nos permite ler nas linhas e nas suas entrelinhas fatos concretos para decisões no campo da agropecuária no país.

Algumas observações: entre os censos de 2006 e 2017 ocorreu um aumento no número de propriedades rurais no Brasil, de 1,5%. Da mesma forma ocorreu um aumento na área ocupada de 5,3%. E a nova metodologia incluiu a contagem de produtores sem área, como apicultores, extrativistas, criadores de animais à beira da estrada, onde houve a maior redução.

Desta forma temos no Brasil cinco milhões, setenta e três mil e 324 estabelecimentos rurais, dos quais quatro milhões, novecentos e noventa e seis mil e duzentos e oitenta e sete são propriedades com área. E sobre a questão das matas naturais e plantadas, a ótima notícia: as matas naturais cresceram 11,8% entre o censo de 2006 e o de 2017 e as matas plantadas, um crescimento de 104%. Contra fato não há argumento. O censo confirma. Cresceu no Brasil área de matas naturais e plantadas.

E nesta virada de ano, hora de estudar o censo da agropecuária. O bom censo.

José Luiz Tejon para o Canal Rural

Censo da agropecuária, uma das coisas mais importantes do país

Final do ano, virada do ano. Uma das coisas muito importantes foi comandada pelo economista Paulo Rabello de Castro quando presidia o IBGE, foi a luta para realizar o censo agropecuário. E o censo nos permite ler nas linhas e nas suas entrelinhas fatos concretos para decisões no campo da agropecuária no país. Algumas observações:…

27 de dezembro de 2019 às 19h54

Paulo Rabello de Castro, economista brasileiro responsável pelo Censo Agropecuário

Final do ano, virada do ano. Uma das coisas muito importantes foi comandada pelo economista Paulo Rabello de Castro quando presidia o IBGE, foi a luta para realizar o censo agropecuário. E o censo nos permite ler nas linhas e nas suas entrelinhas fatos concretos para decisões no campo da agropecuária no país.

Algumas observações: entre os censos de 2006 e 2017 ocorreu um aumento no número de propriedades rurais no Brasil, de 1,5%. Da mesma forma ocorreu um aumento na área ocupada de 5,3%. E a nova metodologia incluiu a contagem de produtores sem área, como apicultores, extrativistas, criadores de animais à beira da estrada, onde houve a maior redução.

Desta forma temos no Brasil cinco milhões, setenta e três mil e 324 estabelecimentos rurais, dos quais quatro milhões, novecentos e noventa e seis mil e duzentos e oitenta e sete são propriedades com área. E sobre a questão das matas naturais e plantadas, a ótima notícia: as matas naturais cresceram 11,8% entre o censo de 2006 e o de 2017 e as matas plantadas, um crescimento de 104%. Contra fato não há argumento. O censo confirma. Cresceu no Brasil área de matas naturais e plantadas.

E nesta virada de ano, hora de estudar o censo da agropecuária. O bom censo.

José Luiz Tejon para o Canal Rural