NPV: Fertilizantes exemplo de comunicação

Qual será a melhor tecnologia para o agronegócio do futuro? A resposta: aquela que for aprovada pelo consumidor final dos alimentos. A tecnologia que o consumidor final de alimentos entender ser boa para a sua saúde e o meio ambiente. Por isso sementes, defensivos, fertilizantes, máquinas agrícolas, vacinas, produtos veterinários, micronutrientes, máquinas agrícolas, irrigação, tudo…

20 de dezembro de 2019 às 11h53

Qual será a melhor tecnologia para o agronegócio do futuro? A resposta: aquela que for aprovada pelo consumidor final dos alimentos. A tecnologia que o consumidor final de alimentos entender ser boa para a sua saúde e o meio ambiente.

Por isso sementes, defensivos, fertilizantes, máquinas agrícolas, vacinas, produtos veterinários, micronutrientes, máquinas agrícolas, irrigação, tudo o que for usado para a produção na agropecuária só vai passar se, ao final da cadeia produtiva, transformar em preferência dos consumidores.

Mas consumidores não entendem nada de tecnologias no campo. Mas irão entender cada vez mais que agronegócio é sinônimo de saúde, e saúde envolve a ciência e a tecnologia que está na semente e nos fertilizantes.

Por isso, não adianta, quem planta vai ter que falar com o consumidor e quem vende tecnologia vai ter que mostrar para o cliente do produtor rural que seus insumos são importantes e seguros, e significam saúde.

Por essa razão neste ano de 2019 aquele item que é fundamental para a agricultura brasileira, do qual todos dependemos, os fertilizantes, se destacaram de todas as demais tecnologias. Decidiram conversar com o cidadão urbano, com o consumidor final dos alimentos.

A Associação Nacional para Difusão dos Adubos (Anda) investiu numa ação que será sem dúvida imitada por todos os demais insumos e tecnologias do campo. Apareceu na sociedade o NPV nutrientes para a vida. Os fertilizantes passaram a mostrar que a qualidade da nutrição das plantas, dos vegetais, tem ligação direta com a saúde de quem as consome, ou seja, a nossa saúde humana. E que também plantas bem nutridas diminuem o desperdício, que joga no lixo cerca de 39% de tudo o que é produzido no planeta.

NPV, nutrientes para a vida, dentre diversas ações de educação fez em São Paulo, por exemplo no terminal Jabaquara do metrô, a comemoração do dia nacional da saúde, com um stand mostrando a ligação dos fertilizantes com a saúde humana.

Outro exemplo: uma horta comunitária em parceria com a ONG Capão Redondo, mostrando a importância dos fertilizantes para a produção própria de hortaliças com qualidade. Outro exemplo, no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, o NPV da Anda mostrou a todos que estavam no hospital como escolher alimentos com alto valor nutritivo e a relação da nutrição humana com a nutrição das plantas e solos.

E nesse diálogo do maior setor e faturamento da tecnologia para a agropecuária do país, os fertilizantes, com a cidade e os cidadãos, começa a nascer os novos tempos. Para vender mais sementes, fertilizantes, biosoluções, tecnologias para o produtor rural, só vai ter sucesso o setor que dialogar, educar e estar presente positivamente na mente de quem decide tudo no mundo. Daqui pra frente, o cliente e, no caso da agricultura, o cliente do cliente. Somos nós consumidores.

Alimentos e NPV, nutrientes para a vida. O consumidor final dos alimentos vai decidir também a tecnologia que será adotada nos campos do mundo.

José Luiz Tejon para o Canal Rural

NPV: Fertilizantes exemplo de comunicação

Qual será a melhor tecnologia para o agronegócio do futuro? A resposta: aquela que for aprovada pelo consumidor final dos alimentos. A tecnologia que o consumidor final de alimentos entender ser boa para a sua saúde e o meio ambiente. Por isso sementes, defensivos, fertilizantes, máquinas agrícolas, vacinas, produtos veterinários, micronutrientes, máquinas agrícolas, irrigação, tudo…

20 de dezembro de 2019 às 11h53

Qual será a melhor tecnologia para o agronegócio do futuro? A resposta: aquela que for aprovada pelo consumidor final dos alimentos. A tecnologia que o consumidor final de alimentos entender ser boa para a sua saúde e o meio ambiente.

Por isso sementes, defensivos, fertilizantes, máquinas agrícolas, vacinas, produtos veterinários, micronutrientes, máquinas agrícolas, irrigação, tudo o que for usado para a produção na agropecuária só vai passar se, ao final da cadeia produtiva, transformar em preferência dos consumidores.

Mas consumidores não entendem nada de tecnologias no campo. Mas irão entender cada vez mais que agronegócio é sinônimo de saúde, e saúde envolve a ciência e a tecnologia que está na semente e nos fertilizantes.

Por isso, não adianta, quem planta vai ter que falar com o consumidor e quem vende tecnologia vai ter que mostrar para o cliente do produtor rural que seus insumos são importantes e seguros, e significam saúde.

Por essa razão neste ano de 2019 aquele item que é fundamental para a agricultura brasileira, do qual todos dependemos, os fertilizantes, se destacaram de todas as demais tecnologias. Decidiram conversar com o cidadão urbano, com o consumidor final dos alimentos.

A Associação Nacional para Difusão dos Adubos (Anda) investiu numa ação que será sem dúvida imitada por todos os demais insumos e tecnologias do campo. Apareceu na sociedade o NPV nutrientes para a vida. Os fertilizantes passaram a mostrar que a qualidade da nutrição das plantas, dos vegetais, tem ligação direta com a saúde de quem as consome, ou seja, a nossa saúde humana. E que também plantas bem nutridas diminuem o desperdício, que joga no lixo cerca de 39% de tudo o que é produzido no planeta.

NPV, nutrientes para a vida, dentre diversas ações de educação fez em São Paulo, por exemplo no terminal Jabaquara do metrô, a comemoração do dia nacional da saúde, com um stand mostrando a ligação dos fertilizantes com a saúde humana.

Outro exemplo: uma horta comunitária em parceria com a ONG Capão Redondo, mostrando a importância dos fertilizantes para a produção própria de hortaliças com qualidade. Outro exemplo, no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, o NPV da Anda mostrou a todos que estavam no hospital como escolher alimentos com alto valor nutritivo e a relação da nutrição humana com a nutrição das plantas e solos.

E nesse diálogo do maior setor e faturamento da tecnologia para a agropecuária do país, os fertilizantes, com a cidade e os cidadãos, começa a nascer os novos tempos. Para vender mais sementes, fertilizantes, biosoluções, tecnologias para o produtor rural, só vai ter sucesso o setor que dialogar, educar e estar presente positivamente na mente de quem decide tudo no mundo. Daqui pra frente, o cliente e, no caso da agricultura, o cliente do cliente. Somos nós consumidores.

Alimentos e NPV, nutrientes para a vida. O consumidor final dos alimentos vai decidir também a tecnologia que será adotada nos campos do mundo.

José Luiz Tejon para o Canal Rural