Já pensou num petisco de grilo? Startup americana aposta no inseto para consumo humano

No futuro, qual será a principal fonte de proteína da humanidade? Uma startup dos Estados Unidos aposta nos grilos. A Aspire inaugurou, em agosto, um criatório de 25 mil m² em Austin, com capacidade para produzir 22 milhões de grilos por mês. Os insetos são alimentados 24 horas por dia, por robô.

De acordo com reportagem da Fast Company, os criadores da empresa acreditam que o grilo pode ser uma fonte de proteína sustentável. Mas o custo de produção ainda é alto. Para fazer cerca de 500 g de proteína de pó de grilo são necessários até 4.800 animais, e o valor de venda para o consumidor chega a US$ 20.

O CEO da empresa, Mohammed Ashour, diz que os produtos com proteína de insetos são considerados premium na América do Norte. Para reduzir o custo – e o preço final – a equipe da Aspire estuda como deixar a produção cada vez mais intensiva, analisando os hábitos alimentares dos grilos e utilizando até sensores com inteligência artificial.

A farinha de grilo é vendida para outras empresas, mas a Aspire também comercializa  o grilo inteiro, assado e seco, com a marca Aketta. A empresa já tem uma fábrica em Gana, África, onde produz larvas de besouro com foco na segurança alimentar. Os planos de expansão dos negócios para os próximos 5 anos incluem a Ásia e a América Latina.

No Brasil não pode!

Ainda não existe legislação para a venda de produtos à base de insetos para consumo humano no Brasil. Mas já há interessados. A Safari Insetos comercializa grilos, tenébrios e baratas para o mercado de animais de estimação exóticos, como roedores e répteis. A empresa desenvolve farinhas de insetos para o consumo animal – e humano, assim que as leis brasileiras permitirem. O proprietário defende a ideia. “Os grilos têm 60% de proteína, ao passo que a carne bovina, por exemplo, não passa de 20%”, afirma Eduardo Matos.

Ficou curioso?

Abaixo seguem os links de duas opções de prato com grilo. Atenção: as receitas não foram testadas pelo blog.

Quibe com farinha de grilo.

Grilo Thai.

 

*Com colaboração de Rafael Walendorff.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *