Prova de Seis Balizas recebe mais de 230 conjuntos no Congresso Nacional

Este ano, o 28ª Congresso Nacional da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM) registrou mais de 6 mil conjuntos inscritos em suas provas, entre eles 233 só na modalidade de Seis Balizas. A competição aconteceu entre os dias 23 e 29 de abril, em Avaré (SP), e mostrou um crescimento de 38% na categoria em relação ao número de inscrições em 2017.

Vagner Simionato, conhecido como Vaguinho, é o competidor mais pontuado da ABQM. De seus 7.064,25 pontos*, 1.623,5 foram conquistados na modalidade de Seis Balizas.

Para o cavaleiro, o aumento no número de participantes é algo positivo. ”Há alguns anos, houve uma redução no número de competidores e só permaneceram no esporte animais de ponta, o que dificultou a chegada de novos membros na modalidade. Porém, em 2016 foi realizado um projeto intitulado ‘Avante Seis Balizas’, no qual reunimos alguns criadores e proprietários e a modalidade teve um incremento de R$ 60 mil na premiação. Deste montante, R$ 50 mil foram destinados às provas da ABQM, que aconteceram em abril, julho e outubro daquele ano. E todo esse incentivo continua tendo reflexo nesse aumento de participantes até hoje”, disse Simionato.

*Computados até 27 de abril de 2018

Foto: Hugo Lemes – ABQM

 

Conheça a prova de Seis Balizas

 

A prova de Seis Balizas é uma modalidade equestre que consiste na distribuição de seis obstáculos ao longo de uma arena, em que o principal objetivo é contornar os objetos no menor tempo possível. Praticada tanto por homens quanto mulheres, a prova avalia velocidade, agilidade e habilidade do conjunto.

A competição, no geral, é dividida em três classes. De acordo com a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milhas (AQBM), a primeira é a amador, que consiste na disputa apenas entre participantes não-profissionais com mais de 19 anos, enquanto a Jovem, é direcionada para competidores amadores com até 18 anos. Já na classe Aberta todos competem juntos, sem distinção entre inscritos profissionais ou não.

As regras oficiais permitem que o competidor toque nas balizas durante a prova, desde que elas não sejam derrubadas ou movidas mais de 20 centímetros. Nesses casos, cinco segundos são acrescentados ao tempo final, como forma de penalidade. Além disso, erros de percurso e queda do cavaleiro estão sujeitos a desclassificação.

A modalidade é considerada de trabalho e está sujeita ao uso de equipamentos nos animais e trajes nos competidores. Segundo a Associação do Cavalo de Baliza e Tambor (ACBT), é obrigatória a presença de um juiz, uma ambulância e dois veterinários, um responsável pela parte clínica dos equinos e outro credenciado pelo órgão de defesa animal do Estado, encarregado de fazer a recepção dos cavalos e a emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA).