Leilão Touros Terra Boa comercializa R$ 1,8 milhão

Remate alcançou a melhor valorização do ano para Touros Brangus

Leilão Terra Boa arrecadou R$ 1.779.840,00 – Foto: Mauricio Fenelon

Foi o melhor resultado em valorização para oferta de Brangus em 2018, fato confirmado pela Associação Brasileira da raça (ABB). O Leilão Touros Terra Boa, realizado na Fazenda Terra Boa, neste último domingo, dia 1 de julho, em Guararapes (SP), alcançou média de R$ 17.513,51 para os touros da raça, apresentados pelo criador José Luiz Niemeyer dos Santos. Drácula JT, o destaque dessa oferta, bateu em R$ 40.800,00.

As fêmeas Brangus também obtiveram ótima média, com R$ 8.385,00, enquanto no Nelore PO a marca também obteve sucesso, ficando em R$ 9.042,96, nos machos, e R$ 9.144,83, nas fêmeas. O touro Fantoche, exemplar da genética Nelore da Terra Boa, foi vendido a R$ 30.000,00.

O leilão comercializou um total de 163 animais, entre touros e fêmeas, e conseguiu saldo total geral de R$ 1.779.840,00. O resultado impressionante foi obtido pela excelência de cinquenta e três anos de seleção e melhoramento da Fazenda Terra Boa, sendo prestigiado por pecuaristas de onze estados brasileiros (AM, MA, MG, MS, MT, PA, PR, RJ, RO, SP e TO). Além disso, contou com o investimento de pecuaristas de destaque do cenário nacional, como Ricardo Veiga, do criatório Veiga & Romeiros Agropecuária (Guararapes/SP), Guilherme Ricardo de Oliveira, da Fazenda São Bento (Cassilândia/MS), e Luiz Augusto de Arruda Miranda, do criatório São Felipe (Guararapes /SP).

O leilão comercializou um total de 163 animais, entre touros e fêmeas – Foto: Mauricio Fenelon

O domingo ofertou touros Nelore Terra Boa, novilhas Nelore prenhes, reprodutores Brangus registrados e novilhas Brangus prenhes. Os touros Nelore e as novilhas são avaliados pela ANCP, PMGZ e Qualitas, e têm o registro definitivo da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ).

Os touros Brangus e as novilhas são avaliados pela Natura e têm o registro definitivo da Associação Brasileira de Brangus (ABB). Todos os animais foram escolhidos com rigor e ofertados com a garantia pessoal do criador.

Na Categoria Touros Nelore, o leilão vendeu 81 animais, com total de R$ 732.480,00 e média de R$ 9.042,96. Nas Fêmeas da raça, foram comercializadas 29 cabeças, que atingiram um total de R$ 265.200,00, com média de 9.144,83.

Já com o Brangus, o remate levou a termo 37 Touros, que renderam R$ 648.000,00, e atingiu média de R$ 17.513,51. Nas fêmeas, o resultado total foi de R$ 134.160,00, com R$ 8.385,00 de média.

“Foi neste criatório que pescamos nossa genética desde o início. O que temos de bom em nossa fazenda buscamos aqui, com nosso vizinho. No início, com touros Nelore, que hoje já resultaram em genética dominante de metade do nosso rebanho Nelore. E há quatros anos adquirindo touros Brangus, que agora também começam a entrar em nosso sistema de produção, para cruzamento com gado Nelore”, justificou o empresário e pecuarista Luiz Augusto Miranda, um dos principais investidores nesta edição do leilão.

A Média Geral Nelore Total, com 110 animais, chegou a R$ 9.069,82 e venda total de R$ 997.680,00. A Média Geral Brangus com 53 animais foi de R$ 14.757, 74, com total de R$ 782.160,00. O saldo final do Leilão Terra Boa teve uma média de R$ 10.919,26. O evento contou com a transmissão do Canal Rural e retransmissão pelo Facebook do Lance Rural.

“Procuramos fazer o que sabemos, da melhor forma. Vender animais diferenciados, touros que servem efetivamente como reprodutores de qualidade. Certamente, esse é o principal motivo do sucesso de mais um leilão nosso”, comemorou o criador José Luiz Niemeyer dos Santos.

Equipes da Fazenda Terra Boa e Central Leilões – Foto: Mauricio Fenelon

Sobre a Fazenda Terra Boa

A Fazenda Terra Boa iniciou sua criação de bovinos com um rebanho comercial, na década de 1950. O investimento nas primeiras matrizes Nelore puras ocorreu quatorze anos depois. No ano seguinte, nasceu o produto RGN 001, da seleção Nelore Terra Boa. Em 1992, o criatório ingressou no Programa Nelore Brasil, da ANCP (Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores), e, em 2003, a Terra Boa adquiriu um rebanho comercial da raça Brangus, em Mato Grosso do Sul.

Satisfeitos com as qualidades da raça (precocidade, boa habilidade materna, fertilidade, rusticidade e características funcionais), em 2008, a cabeceira das novilhas vieram para a Terra Boa, dando início ao trabalho de seleção do Brangus JT. Para aumentar a qualidade, eficiência e produtividade nos rebanhos das raças Nelore e Brangus, a fazenda iniciou, em 2015, a participação no Programa Qualitas e no Programa Natura – Gensys.

Os programas têm a validação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) por intermédio da certificação CEIP (Certificado Especial de Identificação e Produção),que certifica como melhoradores animais produzidos e selecionados a cada ano, garantindo a excelente qualidade. O criatório mantém 1.688 hectares com áreas de preservação, pastagens e de cultivo de cana.

Fonte: Grupo Publique