Começam os remates de cavalos crioulos

Após um ano de cautela na raça, leiloeiras têm boas expectativas para 2018

 

O remate da tradicional Cabanha Tupambaé, de Dom Pedrito (RS), deu início ao calendário do cavalo crioulo. De volta aos leilões após alguns anos, o criatório do primeiro campeão do Freio de Ouro, Itaí Tupambáe, abriu a temporada com a comercialização de 79 animais. O resultado foi comemorado nas redes sociais pelo proprietário da cabanha, Oswaldo Pons. “O que todos vocês assistiram pelas lentes do Canal Rural não tem modismo nem muito menos fantasias. Aqui é a pura essência da lida de campo. Das tropilhas na forma, na espera do buçal e na sequência encilhados para as paradas de rodeios, seguindo a velha rotina campeira que somente o cavalo Crioulo faz com excelência”, publicou.

Cabanha Tupambaé voltou aos leilões com animais de genética reconhecida (Foto: Estela Facchin/Divulgação)

No ano passado, o preço médio do Cavalo Crioulo foi de R$ 15 mil, mas para o leiloeiro Fábio Crespo, da Parceria Leilões, o que importa em 2018 é ter facilidade na venda. “O importante é ter liquidez. É preciso ter quem compre”, diz Crespo. Ele espera um ano movimentado pela frente. “Vai ser um ano bem melhor que 2017. Devemos ter, no mínimo, o mesmo número de leilões do ano passado”, completa.

Oswaldo Pons, da cabanha Tupambaé, entre o leiloeiro Fábio Crespo e o ginete Vilson de Souza, primeiro campeão do Freio de Ouro (Foto: Estela Fachin/Divulgação)

Outra importante leiloeira do sul do país, a Trajano Silva, também tem boas expectativas para 2018. De acordo com Gonçalo Silva, um dos diretores da leiloeira, a empresa quebrou recordes na comercialização de cavalos crioulos no ano que passou e projeta expansão nos negócios. “A meta da Trajano Silva é fazer 10% a mais de leilões e aumentar o faturamento em 20%”, afirma Gonçalo.

 

Texto: Júlio Prestes | Canal Rural


Estrelas Crioulas confirma boas vendas no fim da temporada de leilões da raça Crioula

O leilão Estrelas Crioulas, realizado na noite última sexta-feira (8) no pavilhão de remates da Associação Rural de Pelotas, alcançou o faturamento de R$ 460 mil com a venda de 28 lotes de equinos da raça Crioula.

Cavalhada à venda foi apresentada antes do início do remate

Foram comercializados animais de exceção: finalistas do Freio e Ouro e Morfologia , éguas domadas e de cria, prenhes de grandes pais de cabanha e Registros de Mérito e, ainda, potrancas e potrancos em preparação ou prontos para provas.

Linhagens consagradas foram comercializadas no último leilão presencial da raça no Canal Rural em 2017

Os crioulistas também puderam adquirir coberturas dos garanhões Hijo Bueno da Reconquista,  Maneador Carnavalito e Doña Eufemia Deseado , todos padreadores da Reconquista Agropecuária, de Alegrete (RS).

Variedade e qualidade da oferta chamaram a atenção dos investidores

Outros destaques foram as aquisições de 5% dos garanhões Aqui Estoy da Santa Juvita (4º Melhor Macho da Expointer e Bocal de Ouro) e Esteio JB de Palermo (finalista do Freio 2017).
Ofertaram no pregão organizado pela Pedro Mancha Leilões, as cabanhas Potro Sem Dono, das Figueiras, Reconquista, Recalada, Liscano, Furna Crioula, Liberdade, da Floresta, Potreador e Pelotense.

Remate também ofertou cavalos manchados

“Encerramos com chave de ouro esse ano muito importante para a nossa leiloeira e para a raça Crioula. Os criadores hoje fizeram grandes negócios e, para a gente, foi uma satisfação enorme ter nosso evento encerrando as transmissões presenciais de remates do Canal Rerural em 2017”, destacou Pedro Mancha, diretor da Pedro Mancha Leilões.

Éguas com cria ao pé também se destacaram nas vendas

O leiloeiro Nêto Albuquerque esteve no comando do martelo.


Cala Bassa comemora 10 anos de Redomão na Lagoa

Centenas de crioulistas do Brasil, Argentina e Uruguai lotaram as dependências do Pavilhão de Remates Silvio da Silva Tavares, na noite do último sábado (2), durante o 10º Leilão Redomão na Lagoa.

Evento reuniu brasileiros, argentinos e uruguaios

O pregão integrou a programação do Tempranito 2017, realizado no parque Visconde de Ribeiro Magalhães da Associação Rural de Bagé (RS).

Marcelo Moglia na abertura do remate

“Participo do evento desde a sua primeira edição. É um exemplo de organização. Além de colaborar para a evolução da raça Crioula, o Redomão na Lagoa congrega os criadores e fomenta a participação das famílias em torno do cavalo”, destacou Gilberto Loureiro de Souza, o “Alemão” Gilberto, médico veterinário, ex-superintendente do Registro Genealógico da ABCCC e titular da Cabanha A Tala de Dom Pedrito(RS).

Cala Bassa ofertou animais de linhagens consagradas nas pistas

O proprietário da Cabanha Cala Bassa, Marcelo Moglia, abriu o leilão agradecendo a todos que participaram destes 10 anos de Redomão. “Sem o empenho de nossa equipe e familiares não teríamos chegado até aqui. Também o nosso muito obrigado aos criadores que acreditaram em nosso projeto. Hoje o evento está consolidado e por isso estamos brindando à data”.

O GC de Esteio, Bem Criado Cala Bassa foi um dos destaques do pregão

Nesta edição comemorativa, o pregão foi dividido em duas etapas. Na primeira, conduzida por Artur Pires de Freitas, da Macedo Leilões, foram comercializados dez destaques do criatório, como o garanhão Bem Criado Cala Bassa, o grande campeão da Expointer no ano de 2012 e filho de Piraí 1569 do Brazão, GC de Esteio em 2009. Os animais vendidos são fruto de uma parceria da Cala Bassa com a Cabanha Dom João, de Eldorado do Sul (RS).
A segunda bateria foi conduzida por Fábio Crespo da Parceria Leilões, com a venda de 53 lotes de potros e potrancas de 2 anos. Os exemplares estão habilitados para participarem da prova Redomão na Lagoa no mês de janeiro, na Estância da Lagoa, em Aceguá (RS), fronteira do Brasil com o Uruguai.

Marcelo Moglia reuniu colaboradores e familiares para a foto oficial do remate

Durante e depois das vendas, os promotores realizaram várias brincadeiras e sorteios com os investidores do remate.