Apesar dos juros altos, bancos e empresas comemoram otimismo do produtor

Alguns bancos e empresas de máquinas agrícolas presentes na Tecnoshow Comigo, maior feira de tecnologia em agronegócio do centro-oeste, já comemoram os resultados atingidos em três dias. A recente alta nos preços das commodities é apontada como motivo de otimismo entre os produtores, que estariam deixando em segundo plano a expectativa de queda na taxa de juros para financiamentos agrícolas no Plano Safra e fechando negócios.

Os juros do atual Plano Safra 2017/2018 variam de 7,5% a 11,75% ao ano, na época em que a taxas foram fixadas no ano passado a Selic estava em 10,25%.  Hoje, ela está em 6,50% com possibilidade de cair para 6,25%. Com esse cenário, o setor agro pleiteia queda compatível com a registrada na Selic e espera taxa de 4,5% a 8,75% ao ano. Nem mesmo o possível barateamento no crédito foi capaz de frear o desempenho dos negócios aponta o superintendente de Agronegócios do Santander.

“Nós estamos bem otimistas. Os volumes estão acima do ano passado, eu diria que fechando hoje nós já vamos alcançar o volume do ano passado. Essa possível queda não está afetando os negócios até porque quem se antecipa normalmente pega uma condição melhor. Então, 1% ou 2% potencialmente de queda diariamente não deve afetar um bom negócio que dá para antecipar hoje”, afirma.

No Bradesco, o clima também é de comemoração. Segundo o superintendente Executivo do banco, Rui Rosa, os resultados nos primeiros dias de feira já superam o desempenho alcançado na semana inteira do ano passado.

“A gente vem com o crescimento de 25% sobre o ano passado e no ano passado nós tivemos o recorde da indicação de negócio”, conta.

No setor de máquinas agrícolas, os comerciantes reportam que as vendas estão aquecidas.

“O produtor está olhando o custo-benefício e nesse momento nós estamos oferecendo vantagens com preços especiais e também com pagamentos de recursos próprios, principalmente nessa região que está muito bem capitalizada e que realmente está fazendo negócios”, afirma Ildemar Budke, gerente comercial da Vence Tudo.

O motivo para a perspectiva de redução de juros impactar menos na decisão de compras tem relação com a recentes alta nos preços das commodities, que animou os produtores, afirma o gerente de vendas da New Holland, Hilton de Paula.

“O  ponto não é esse boato que vai cair ou vai subir os juros, mas sim as commodities em alta”, diz.

A redução da taxa de juros parece não ser mais boato. O novo titular da Secretaria de Política Agropecuária (SPA) do Ministério da Agricultura, Wilson Vaz de Araújo, garantiu, em entrevista ao Broadcast Agro, que as taxas de juros para financiamento do setor serão menores no Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019, a partir de 1º julho.

“Vamos ter redução, sim, nos juros e a magnitude dessa redução está em discussão. O setor nos demandou reduzir em 3 pontos porcentuais. Vamos trabalhar para reduzir”, disse Araújo.

 

Veja a expectativa de negócios dos bancos Santander e Bradesco:

Empresas de máquinas agrícolas demonstram otimismo com alta nos preços de commodities: