Dólar atinge a cotação mais alta do ano. Esse é o limite?

O dólar atingiu nesta terça-feira a cotação mais alta desde dezembro de 2017 e encostou em R$ 3,33 durante o pregão. Por que a moeda americana sobe? E qual a tendência? Veja essa e outras respostas no bate-papo com o economista-chefe da Infinity Asset, Jason Viera.

Por que o dólar sobe hoje e atinge a melhor marca do ano?

Jason Vieira: Nós temos alguns indicadores nos Estados Unidos que vieram acima das expectativas e acabaram puxando o dólar para o alto.

Tem algum fator doméstico que também contribui com essa alta que a gente vê hoje?

Jason Vieira: Algumas pessoas disseram que poderia ter alguma coisa relacionada como a questão do ministro Meirelles, mas a saída dele já é precificada desde ontem. Ao mesmo tempo, os substitutos são considerados técnicos e então, em termos locais, não há muita indicação do que se possa ter uma forte alta do dólar nesse momento.

Você não acredita que há um certo otimismo do mercado financeiro em acreditar que de fato vai ser um perfil técnico que vai assumir essa vaga? Porque nos bastidores de Brasília se fala muito sobre o atual ministro de Planejamento, Dyogo Oliveira. Você acredita que isso está descartado? Um perfil mais político para a vaga?

Jason Vieira: Não, Dyogo Oliveira provavelmente está descartado porque na fila você tem outros dois técnicos. Mesmo se fosse o ministro Oliveira,  ele também é um ótimo técnico, tem o seu histórico dentro da Fazenda e então não seria considerado ruim também.

R$ 3,32 é a melhor marca do ano para o dólar até agora. Você disse que não vê no momento riscos políticos, mas você acredita que de agora em diante 3,33 é a próxima marca e assim vai subir de agora em diante? 

Jason Vieira: Sim, nós temos uma resistência um pouco mais forte de R$ 3,33 no curto prazo, mas ao mesmo tempo a manutenção desse dólar mais alto depende também de uma série de fatores internacionais. Se nós tivermos durante a semana, por exemplo, o PIB americano indicando o crescimento econômico, mas ainda sem inflação, é importante notar isso porque pode levar o dólar para baixo, caso venha o crescimento econômico aliado com inflação baixa.

Qual é a sua taxa e como você avalia os riscos políticos? O mercado financeiro está em R$ 3,30 de acordo com o Focus. Você também?

Jason Vieira: Nós estamos nessa faixa, porém é difícil avaliar exatamente quais são os riscos políticos porque nem os players ainda estão definidos em termos de mercado. Então, não se sabe quais serão os próximos candidatos, qual o potencial disruptivo de um candidato forte que não seja pró-reformas e também não sabemos o potencial de um candidato pró-reforma. Então, esse é o grande ponto para o mercado financeiro e ainda não temos uma certeza absoluta que possa ser precificada em termos de ativos.

Ou seja, você está com R$ 3,30 assim como o mercado e acredita que notícias vindas da economia americana nesse momento é o que tem mais potencial para mexer na taxa de cotação, não tanto a economia doméstica? 

Jason Vieira: Exatamente. Nós vamos ver até abril a definição de alguns candidatos e algumas transferências a partir da data limite e a partir daí, digamos a partir de maio, na verdade, conseguiremos ter uma definição maior de quem serão os eventuais candidatos.