5 coisas que você precisa saber sobre o mercado de soja e milho hoje

Acompanhe 5 informações sobre os mercados de soja e milho que você precisa saber nesta terça-feira:

– Preço do milho atingiu a cotação mais alta desde agosto de 2016
A cotação do milho em Campinas atingiu R$ 44,50 por saca nesta semana, de acordo com levantamento da consultoria Safras&Mercado. A alta reflete, entre outros motivos, a menor oferta do grão na safra de milho verão, o atraso no plantio da segunda safra de milho e riscos climáticos para a produção da “safrinha” semeada fora da janela ideal em algumas regiões produtoras.

– Segunda safra de milho está sob alto risco climático em 2018

A previsão é que o fenômeno La Niña continue atuando até meados do segundo semestre, aponta o analista de mercado da Safras&Mercado, Paulo Molinari. “Normalmente, nessas situações o que temos é um inverno um pouco mais rígido, pelo menos, na região sul [do Brasil], no Paraguai, em Mato Grosso do Sul e no sul de São Paulo. O risco que nós temos agora é de ter geadas no final de maio e em junho ou as chuvas cortarem aqui para a região sul a partir de março. O risco é mais alto em função de um plantio tardio, em função da queda de tecnologia e em função do La Niña”, explica.

Saiba mais sobre o mercado de milho no vídeo:

– Depois de 20 dias sem chuva agrícola em áreas produtoras da Argentina, previsão é de trégua no tempo seco
Vai chover até 100 milímetros nos próximos cinco dias em regiões como o Norte da Argentina, explica a meteorologista Desirée Brandt. “As chuvas vão ser fortes,mas não são duradouras”.

– A previsão de chuvas para a Argentina deve impactar no mercado da soja
As lavouras da Argentina devem ser beneficiadas pela chuvas e isso deve frear um pouco as perdas na produção, avalia o analista Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. “ A volta das chuvas vai limitar novas altas de preço no mercado. Na bolsa de Chicago as cotações vão ter dificuldades de avançar rumo aos US$ 11 por bushel”, explica.

– Demanda aquecida: Exportações de soja devem bater novo recorde em março
A soja da Argentina vai chegar atrasada no mercado e há preferência dos compradores pela soja brasileira, explica Brandalizze. Segundo ele, o Brasil deve bater novo recorde de exportação neste mês. “ Nós já estamos com recorde histórico de exportação nas duas semanas de março. Tudo indica que o mês vai ter novo recorde”.

Produtores de soja estão aproveitando o pico de alta nos preços e isso deve incrementar a renda em 2018. Veja no vídeo