Especialista mostra o que você ganha ou perde com o pré-custeio

O Governo vai anunciar nesta terça-feira (30) a liberação de recursos do pré-custeio da safra 18/19 em um evento previsto para ocorrer em Rio Verde, Goiás.  Em pleno janeiro, o presidente da República, Michel Temer, já acena para o setor agropecuário com o financiamento via Banco do Brasil. A medida é bem vista por profissionais que consideram a previsibilidade um item indispensável ao planejamento dos negócios. No entanto, a projeção de queda na taxa básica de juros pode tirar a atratividade do recurso, isso porque a previsão do mercado é que a Selic saia dos atuais 7% para 6,75%, conforme boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (29).

Veja as taxas em vigor no Plano Safra atual:

A questão é: o que se ganha ou perde em acessar o pré-custeio assim que for liberado?

O economista da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul, Antonio da Luz, explica:

  • a estratégia do produtor deve levar em conta se vale economizar com juros depois e pagar mais pelos insumos ou ter agora insumos com preços mais atrativos só que juros mais altos.
  • em ano de eleição e com a atual queda do dólar, pode ser uma boa oportunidade aproveitar o pré-custeio, desde que seja para fazer compras para a safra seguinte.

E sobre o melhor momento para a compra de insumos, Da Luz dá a dica: A primeira opção seria a partir da liberação deste pré-custeio e já fazer a compra dos insumos para a próxima safra com o objetivo de reduzir custos. A segunda opção seria no próximo Plano Safra, quando há uma tendência de queda da taxa de juros.

Veja mais detalhes sobre liberação do pré-custeio na entrevista completa da edição de Mercado&Cia: