Conheça o churrasco de apartamento

Modo de preparo deixa carnes com consistência e sabor idênticos aos da churrasqueira, mas usa fogão e panela especial

 

Quem acredita que pode assar carne dentro de um apartamento, usando como fonte de calor o bom e velho fogão, e obter resultado quase idêntico ao churrasco raiz, feito na churrasqueira? Certamente eu, como bom sul-mato-grossense, concordaria com quem respondeu não a esta pergunta. Mas fui surpreendido com a experiência que descrevo a seguir.

 

Natural de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, sou acostumado com churrascos feitos com carne de muita qualidade, até pelo preço um pouco mais acessível quando comparamos com São Paulo, por exemplo. A tradição do MS na produção de carne boa e em grande quantidade contribui para isto.

 

Portanto, quando me mudei para a capital paulista para integrar e equipe de produção do Giro do Boi, foi esta uma das minhas principais preocupações:

E AGORA, COMO FICA O CHURRASCO?

 

O desespero bateu quando aluguei meu primeiro apartamento em São Paulo. Eu não tinha sacada, mas isto não faz diferença. Por motivos óbvios, não se pode acender a churrasqueira em sacada que não tem estrutura para chaminé, a menos que tomar multa do condomínio seja melhor (ou menos pior) do que ficar sem churrasco!

 

Foi então que eu juntei pontos pra descobrir o que hoje considero uma das principais razões de minha qualidade de vida em São Paulo: o churrasco de apartamento, ou churrasco sem churrasqueira. Resolvi dividir por aqui as informações porque não encontrei nada mais preciso em minhas buscas pelo sabor e consistência perfeitos, então talvez este artigo ajude.

 

Vamos lá, por partes, como diria o açougueiro. Além de carne, você vai precisar de outros três itens:

– 1 panela churrasqueira;
– 1 extrato de fumaça em pó;
– 1 extrato de fumaça líquido.

 

PANELA CHURRASQUEIRA
Quando eu morava em Campo Grande-MS, minha mãe tinha uma panela popularmente conhecida como churrasquita. Não tenho certeza se é um nome comercial, mas fato é que se trata de uma panela churrasqueira para fogão. Ela é redonda, tem uma base onde se coloca água (portanto não faz fumaça por toda a casa) e tem um buraco no meio por onde passa o calor advindo da boca do fogão. Acima desta base, fica encaixada uma grelha circular que serve de suporte para as carnes. Uma tampa igualmente redonda e toda fechada distribui o calor por toda a grelha.

 

Esta panela é importante porque é ela quem vai deixar a carne na consistência idêntica à da churrasqueira. Já testei o preparo de bifes altos, como os de contrafilé, na frigideira e no forno, mas não fica igual. A carne fica com uma consistência mais próxima à cozida. Para quem é apaixonado por churrasco, a diferença é gritante. Neste quesito, em minha avaliação, esta panela ganha de longe de churrasqueiras elétricas, que, ao menos nas experiências que eu tive, sempre deixam as carnes como se fossem cozidas.

Panela churrasqueira para fogão, um presente de minha mãe, é imprescindível para a consistência ideal.

 

Extratos de fumaça
Esse foi um ponto que causou muita polêmica. Quando anunciei a compra de extratos de fumaça (em pó e líquido) para meus amigos campo-grandenses, a novidade não foi bem aceita. Como que um pantaneiro vai pra São Paulo e se contenta com churrasco feito no extrato de fumaça? Pois é. Quem não tem cão, caça com(o) gato. Descobri a existência destes extratos quando li o rótulo de um molho barbecue, que simula um sabor que não se assemelha em nada ao do churrasco tradicional brasileiro. Na composição, consta o tal extrato de fumaça, então pensei que, se eu conseguisse o extrato puro, poderia obter bons resultados.

 

Busquei e encontrei pela internet. Na primeira vez, comprei um pequeno frasco de cada tipo de extrato de fumaça. O extrato em pó tem sal, já o líquido contém apenas sabor de fumaça. Então, no caso do extrato em pó, além de oferecer sabor, ele também salga a carne. Passo uma fina camada dele no corte mais para obter o gosto de defumação do que para salgar, pois o sal eu corrijo quando tiro a carne da panela churrasqueira e a corto na tábua, caso necessário. Depois de passar o extrato em pó, eu borrifo por todo o bife também o extrato líquido. Ele muda a coloração da carne ao fim do processo, deixa mais próxima à da carne assada e, mais importante, incrementa o sabor.

 

DICA
Depois de achar frascos de menos de 200g e/ou 200ml dos extratos de fumaça, cujo conjunto devo ter comprado por uns R$ 60,00, e obter sucesso na empreitada, pesquisei mais a fundo e achei na internet frascos de 1 litro de extrato líquido de fumaça e pacote com 1 quilo de extrato de fumaça em pó por valor similar. Em resumo, a segunda compra foi até um pouco mais barata, mas continha cerca de cinco vezes mais volume de cada produto. No meu caso, como não consigo usar todo o conteúdo dentro do prazo de validade, eu distribuí para alguns amigos e colegas para que eles pudessem provar também.

 

Esses extratos mais baratos são vendidos online em lojas de artigos para açougueiros. Pelo que entendi, os extratos são naturais e utilizados para formulação de produtos como linguiças e salames. Li num artigo que os extratos são decantados para eliminação de substâncias potencialmente impróprias para o consumo humano.

Extratos de fumaça em pó e líquidos: segredo para obter sabor quase idêntico na comparação com o churrasco regular.

 

RESULTADOS
Já recebi em meu apartamento vários amigos para manter viva a tradição do churrasco e obtive, até aqui, 100% de aprovação! Pela limitação física da panela, não é possível, claro, fazer peças inteiras, apenas os bifes altos (ou steaks), como picanha fatiada, contrafilé (seja chorizo ou ancho) e maminha fatiada. É possível preparar ainda um assado de tira e até já consegui assar muito bem um prime rib, também conhecido como ancho com osso.

 

O hambúrguer fica igualmente excelente: na hora de remexer a carne moída – e apenas ela – misturo os extratos antes de moldar os discos. Geralmente uso uma ponta de peito. Um quilo rende oito hambúrgueres generosos. Dá também pra preparar perfeitamente linguiças e pão de alho (nestes, claro, não adiciono os extratos).

 

Como minha preferência é a carne mal passada, ou ao ponto para menos, minha rotina é temperar a carne com os extratos, colocar na grelha já bem quente, tampar a panela e ficar checando o momento em que o bife começa a “suar”. Neste momento, viro a carne e espero “suar” novamente. É mais ou menos quando um bife grosso de uns dois dedos a dois dedos e meio está pronto para ser acompanhado por uma mandioca e, vez em quando, um molho chimichurri caseiro.

 

Picanha mal passada

Passo a passo para fazer a picanha mal passada: 1 – colocar na churrasqueira com a grelha bem quente e esperar o bife “suar”;

Picanha mal passada

Passo a passo para fazer a picanha mal passada: 2 – virar uma vez e, quando “suar” novamente, está no ponto desejado.

 

Resultado do churrasco de apartamento: picanha mal passada na tábua de carne.

Churrasco sem fumaça, no apartamento: picanha bem acompanhada da mandioca, como se faz no Mato Grosso do Sul.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Já perguntaram pra mim se eu usaria o extrato pra assar carne na churrasqueira tradicional, mas não há necessidade. O carvão e/ou a lenha fazem muito bem – e melhor – este trabalho, pois são integrantes do verdadeiro churrasco. Esta solução é paliativa, mas agrada bem. Infelizmente, não tem o ritual todo especial de acender o fogo da churrasqueira. E, acredite, é bem frustrante começar a preparar um churrasco apertando o botão de choque elétrico do fogão, mas salva muitos fins de semana e qualquer outra ocasião que peça uma carne assada.

 

E você, tem outra solução como esta para o seu churrasco de apartamento? Compartilhe aqui no blog ou mande sua sugestão e considerações para jose.neto@canalrural.com.br e ajude a grande comunidade churrasqueira do Brasil!

 

4 respostas para “Conheça o churrasco de apartamento”

  1. Renan disse:

    Muito bom… vou testar no meu apê

  2. Nilson Almeida disse:

    Vai dar aula na Academia da Carne!!! Nota dez! Fiz assim com um importado do PY! Originado de USA! As porky ribs ficaram no estilo! Mas fiz no forno e topgrill! Parabéns Zé!

  3. Pri Levy disse:

    Adorei, Zé! Ficou com uma cara muito bonita e, mai importante, apetitosa! Parabéns!

  4. DANIEL CABRAL BARBOSA disse:

    Vou convida-lo para o próximo churrasco raiz em casa kkkkkkkkkk.
    Muito bom o texto, o importante é não ficar sem as coisas boas da vida, nesse caso, o churrasco.
    Abraço e sobre o convite é sério viu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *