Aos amigos que carregam o pó da viagem: parem de pensar em preço e raciocinem com margem, aconselha Rodrigo Albuquerque

rodrigo-albuquerque-beef-radar-giro-do-boi

“Se eu tivesse um pedido para fazer ao pecuarista é que ele pare de pensar em preço e comece a raciocinar com margem”, aconselha Albuquerque.

 

Nesta quinta-feira, 16, o Giro do Boi recebeu em seu estúdio o consultor Rodrigo Albuquerque, diretor da NF2R Assessoria Agropecuária e um dos idealizadores do grupo de discussões pecuárias Beef Radar.

 

Na conversa com Mauro Sérgio Ortega, o consultor abordou temas como gestão de custo, retração de consumo da carne bovina no Brasil, perspectivas para a retomada da economia nacional e ainda projeção para o confinamento em 2017.

 

Segundo o analista, os produtores devem buscar informações que vão além da produção dentro da porteira para entender o mercado.

 

“Nós, que somos pecuaristas, costumamos viver dia, tarde e noite a parte da produção, mas precisamos entender a ponta do consumo. O que aconteceu nesses anos de desmando de política econômica, um modelo baseado em crédito que se exauriu, foi um ajuste fiscal. Os especialistas alertaram que o boleto ia chegar e ele chegou. Aconteceu uma pressão na demanda mais perto do consumidor, que diminuiu consumo e houve migração para a salsicha, o frango, por exemplo”, explicou Albuquerque.

 

Na leitura do consultor, por conta deste cenário, os frigoríficos tiveram de ajustar a produção para não ter um passivo em mãos, ou seja, um estoque de carne para o qual não há demanda. “É bom que a indústria aja desta forma porque está buscando o equilíbrio financeiro dela. Isso leva a gente a tomar alguns remédios amargos, principalmente em preço da arroba, mas a gente precisa entender”, ponderou o analista.

 

Embora a economia brasileira dê sinais de recuperação, Albuquerque ainda prevê dificuldades para o setor, pois muitos ajustes ainda precisam ser feitos antes de se falar em retomada de consumo. “Ainda temos de fazer a reforma da previdência, a reforma trabalhista. Temos muitos desempregados no País e a pressão no consumo ainda é grande”, acrescentou.

 

PRODUTIVIDADE
Para Albuquerque, a hora é de incentivar a produtividade dentro da porteira. O consultor afirma que em momentos de crise, como o atual, a margem tende a ficar pior com a retirada do pacote tecnológico.

 

“Não faça isso, pois em todas as análises você piora a situação. A saída para ter mais assertividade é assistência técnica. Você precisa de um bom técnico, um bom consultor. Pode ser um veterinário, agrônomo ou zootecnista, mas não podemos dar tiro n’água”, indicou.

 

“Precisamos avaliar o custo x benefício e para isso eu dou uma dica. Geralmente nesses anos, quanto menos ‘concreto’ a gente colocar na fazenda, é melhor. Precisamos melhorar a qualidade do investimento, como cerca elétrica, divisão de pasto, que são relativamente baratos e trazem benefícios muito grandes”, acrescentou o analista.

 

ÁGIO DO BEZERRO
Para o pecuarista que comprou bezerro com ágio, pagando até mais de R$ 1.500,00, o consultor foi taxativo. “Realize essa operação e parta para a próxima, porque se você ficar vivendo essa operação que foi comprometida, corre o risco de comprometer outras duas ou três operações.

 

“Se eu tivesse um pedido para fazer ao pecuarista é que ele pare de pensar em preço e comece a raciocinar com margem”, alertou Albuquerque.

 

Para o consultor, o pecuarista deve ter previsibilidade de sua produção para aproveitar oportunidades em que o mercado futuro ofereça preço suficiente para cobrir custos e garantir certa margem. “Eu não vivo de preço, mas de margem. Se eu tenho, eu começo a vender. O que eu vou discutir é a velocidade desta venda. É por isso que eu consigo aproveitar oportunidades como o hedge em 2016”, alertou.

 

CONFINAMENTO
Para 2017, o analista espera aumento do volume de animais confinados, apesar de a margem para o terminador ter sido negativa no início do ano em até R$ 120,00. Albuquerque, no entanto, sustenta que na atual avaliação, já é possível o pecuarista trabalhar com margem de R$ 11 para confinamento no Mato Grosso e há tendência de aumento desse indicador para o restante do ano, em se confirmando a queda do preço do milho com a consolidação do plantio da safrinha e também com a redução do preço da reposição. “Deu margem, executa. Não é um ano para fazer brincadeira”, aconselhou.

 

QUALIDADE
Ante de encerrar sua participação, Rodrigo Albuquerque reforçou ainda a importância da qualidade para que o consumo volte a crescer. “Nos último anos o brasileiro foi exposto a um nível de consumo mais alto em quantidade e qualidade. Agora que ele está em dificuldade, a gente precisa ajudá-lo nesta retomada, oferecendo qualidade”, frisou.

 

+ Veja aqui a entrevista de Rodrigo Albuquerque na íntegra ao Giro do Boi

 

Leia também:

Produtividade e qualidade são a chave do sucesso, aponta Tejon

 

Agroconsult: Preço nominal da arroba do boi gordo deve cair em 2017

 

Melhora a qualidade das carcaças no Brasil

 

 

6 respostas para “Aos amigos que carregam o pó da viagem: parem de pensar em preço e raciocinem com margem, aconselha Rodrigo Albuquerque”

  1. Nilton P. Barbosa disse:

    Muito boa sua reflexão sobre o momento atual, concordo plenamente. Acrescento apenas o entendimento de que quem comprou com preços mais altos os animais que estão sendo vendidos agora, vão repor também com uma condição muito boa. No final é possível que acabe com margem maior agora que no passado.

    • joseneto disse:

      Boa lembrança, Nilton! A reposição mais barata, voltando a níveis de 2014 até, representa oportunidade para ganhar no giro dentro de porteira. Abraço!

  2. Everson Rodrigues disse:

    Concordo com o Rodrigo o pecuarista tem que se impor pela qualidade do que se produz. Não deixar de lado a tecnologia fazendo o dever de casa da porteira pra dentro. Tempos difíceis ou não o mercado é cada vez mais seletivo e cada um tem qu saber onde deseja chegar almejando sempre a produtividade aliada a qualidade do produto.

    • joseneto disse:

      Everson, bem colocado! A nossa pecuária é privilegiada, porque por aqui, quanto mais aumentamos a produtividade e, consequentemente, a rentabilidade, elevamos junto a qualidade. E tem mercado potencial para explorarmos com produtos de valor agregado, ainda bem! Abraço!

  3. Carlos disse:

    Jose Neto,
    Leitor diario da newsletter do giro do boi e acompanhando seu blog, hoje ouvi com atencao a entrevista do Rodrigo Albuquerque de Goias, estado que adotei.
    Favor me indicar como acessar “beefradar” grupo do Rodrigo
    Grande abraco e sucesso

    • joseneto disse:

      Olá, Carlos! Obrigado pelo comentário! Na quarta-feira, dia 22, li seu comentário ao vivo no Giro do Boi e já acionei o Rodrigo Albuquerque para ver como funciona a moderação do grupo de discussões! Ainda não obtive retorno, mas fico ligado! Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *