A maior rede do mundo não é a internet. Ou: um convite.

Olá, prezado colega!

Seja bem vindo a este novo espaço para discussão de assuntos relacionados à pecuária de corte. Podemos dizer que ele está inserido na segunda maior rede do mundo, a internet. Já explico, vamos por partes.

Tomo a liberdade de tratá-lo como colega porque pertencemos todos ao mesmo setor produtivo, a pecuária de corte. De maneira ainda mais ampla, atuamos todos no agronegócio. Desde que ingressei na profissão de jornalista, em 2008,  exerci funções restritas ao jornalismo rural.

Quanto ao blog, ele está confinado na segunda maior rede do mundo porque é o alimento que ocupa o posto de primeiro colocado. Foi assim que o famoso chef Alex Atala classificou em entrevista recente.

“Acredito que a maior rede social do mundo é a que conecta sete bilhões de seres humanos no planeta Terra: o alimento”, declarou Atala.

Esta é uma frase que faz muito sentido pra mim. Eu sempre pensei de maneira retroativa sobre o agronegócio. Por exemplo, conectando um bom bife às pastagens ou ao cocho em que o boi foi terminado.

Não menos importante é a internet. Neste veículo é possível complementar informações que não encontram espaço para serem publicadas em uma revista ou ir ao ar pela televisão por falta de tempo.

Aqui haverá este espaço para repassar alguns conteúdos que por ventura se percam entre os vídeos com entrevistas e reportagens do Giro do Boi, veiculado de segunda a sexta-feira, sempre das 07h às 08h no horário de Brasília, pelo Canal Rural. Ou que estejam inertes em uma das edições do caderno especial pela revista Dinheiro Rural, uma extensão do programa.

CURADORIA

Quando eu trabalhava exclusivamente com internet, entendia o trabalho do webjornalista como sendo o de um curador de museu. Pois a produção de conteúdo é intensa, mas a linha do tempo não pode ser confusa. Então um bom artigo pode se perder facilmente nos arquivos de um site.

A função de um jornalista curador é sempre revisitar as informações e, dentro de sua relevância, contextualizar as declarações, os números e, consequentemente, facilitar a análise de quem consome este conteúdo.

Convido você, portanto, a fomentar a produção e consumo de alimentos, que formam a maior rede do mundo. E, para isto, vamos usar a segunda maior rede, a internet, como ferramenta.

Uma resposta para “A maior rede do mundo não é a internet. Ou: um convite.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *