Acamamento de plantas na cultura da soja

Alvadi Antonio Balbinot Junior, pesquisador da Embrapa Soja

O acamamento se constitui na queda ou arqueamento das plantas em virtude da flexão do caule e/ou má ancoragem propiciada pelas raízes (Figuras 1 e 2). Na soja, o problema é mais comum em regiões subtropicais ou tropicais com elevada altitude, em função do maior crescimento das plantas. O acamamento aumenta o sombreamento das folhas próximas do solo pelas folhas da parte superior da planta, reduzindo a fotossíntese líquida e o período em que a folha permanece fotossinteticamente ativa o que, em última instância, pode reduzir a produtividade, especialmente quando ocorre no início do enchimento dos grãos. Com a redução da circulação de ar na lavoura, provocada pelo acamamento, há formação de microclima úmido, que pode deteriorar a qualidade dos grãos, notadamente quando associada com altas temperaturas. Esse problema se torna ainda mais grave quando o objetivo da lavoura é a produção de sementes.

No que tange à fitossanidade, o acamamento pode aumentar a intensidade e a severidade de algumas doenças, como, por exemplo, o mofo branco, além de reduzir a eficiência dos agrotóxicos aplicados, pois é difícil fazer com que estes incidam nas folhas próximas do solo via pulverização. Adicionalmente, outro problema provocado pelo acamamento é a dificuldade em realizar a colheita mecânica, em decorrência da proximidade ou contato das vagens com o solo, o que, via de regra, aumenta significativamente as perdas de grãos.

A seguir são mencionadas algumas ações para evitar ou reduzir o acamamento em soja:
1) Escolha de cultivares com menor propensão ao acamamento, considerando as características de cada região edafoclimática. É a forma mais simples e segura para minimizar o problema;
2) Uso de populações de plantas recomendadas para cada cultivar e época de semeadura. Esse é um fator que influencia expressivamente o acamamento. Muitos produtores exageram na quantidade de sementes, visando garantir número mínimo de plantas por hectare, o que pode aumentar o acamamento. Nesse caso, é indicado utilizar a quantidade de sementes recomendada pelas empresas obtentoras das cultivares;
3) Semeadura em época recomendada para cada cultivar e região;
4) Adubação equilibrada, determinada com base em análise do solo. Em regiões que utilizam altas doses de adubos orgânicos, como, por exemplo, a cama de aviário e o esterco de suínos, é comum o crescimento exagerado das plantas de soja e, consequentemente, o acamamento. O crescimento equilibrado é importante para se obter alta produtividade de grãos e estrutura vegetativa que reduza a predisposição ao acamamento;
5) Identificação de camadas compactadas de solo, que podem reduzir o crescimento de raízes, sobretudo a pivotante. Se houver compactação, deve-se avaliar junto a um técnico a necessidade de correção do problema, seja de forma biológica, usando plantas de cobertura do solo, ou de forma mecânica, com subsoladores.

Figura 1. Plantas eretas

Figura 2 . Plantas acamadas