A soja e a saúde do nosso sistema cardiovascular

José Marcos Gontijo Mandarino
Pesquisador da Embrapa Soja

Que a soja e seus derivados são considerados alimentos funcionais, ninguém mais duvida, pois isso já é sabido desde a década de 1990. As proteínas da soja são excelentes coadjuvantes nos tratamentos para redução dos triglicerídeos totais, do colesterol total e LDL colesterol ou “mau colesterol”, pois auxilia na diminuição do teor desses lipídios séricos, por meio do aumento nos níveis do HDL colesterol ou “bom colesterol”.

Produtos à base de soja. Foto: RRRufino

Segundo a Resolução da ANVISA: ANVS/MS nº 18 de 30 de abril de 1999, publicada no D.O.U. de 03/12/1999, que dispõe sobre as Diretrizes Básicas para Análise e Comprovação de Propriedades Funcionais e ou de Saúde Alegadas em Rotulagem de Alimentos, “o consumo diário de no mínimo 25 g de proteína de soja pode ajudar a reduzir o colesterol. Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis”.

Recentemente foi divulgado em Congressos de Cardiologia nos Estados Unidos, que a ingestão de soja aumenta em nosso organismo as concentrações de “adiponectina”, também conhecida como a “citocina do bem”. A adiponectina possui as seguintes ações no nosso organismo: é anti-esteatótica (esteatose é a acumulação anormal de gordura em alguns órgãos, mais comumente, no fígado), anti-diabética, anti-aterosclerótica (aterosclerose é uma doença caracterizada pela inflamação crônica das artérias de grande e médio calibre e que se deve basicamente à acumulação de gorduras) e anti-inflamatória.
Por tudo isso o consumo regular de soja é um aliado para a saúde do nosso coração e do nosso sistema circulatório.