Carta Grãos – Pressão de alta diminuiu no mercado de milho, mas situação merece atenção!

A pressão de alta diminuiu nesta segunda quinzena de março.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, a referência de preços está em R$40,00 por saca de 60 quilos na região de Campinas-SP, frente a negócios em até R$42,00 por saca nas primeiras semanas do mês. Veja a figura 1.

Figura 1.
Preços do milho grão na região de Campinas-SP, em R$ por saca de 60 quilos, para a entrega imediata, sem o frete.

Fonte: Scot Consultoria

Com a colheita da safra de verão (2017/2018) e maior oferta, as cotações cederam.

A Scot Consultoria estima que por volta de 60% da área com milho de verão foi colhida até a quarta semana de março, ou seja, apesar de atrasada, a maior parte da primeira safra foi colhida, montante que se soma aos estoques de passagem.

Expectativas

O cenário é de mercado frouxo, mas o monitoramento deverá continuar nos próximos meses, que compreendem o período de desenvolvimento das lavouras de segunda safra.

Importante destacar que uma parcela da área com milho de segunda safra foi semeada fora da janela ideal de plantio (até meados de março), o que aumenta os riscos e possibilidade de queda na produtividade.

Em Mato Grosso, maior produtor de segunda safra, até o dia 9 de março, 95,6% da área prevista com a cultura havia sido semeada, atingindo 98,8% até o dia 19/3, segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

No Paraná, de acordo com dados do Departamento de Economia Rural (Deral), até o dia 19/3, a semeadura atingira 93% da área prevista.

Desta forma, não estão descartadas revisões nas projeções de produção de milho (segunda safra), o que poderia dar sustentação às cotações no período que antecede a colheita da segunda safra e em meio à demanda aquecida.

Na B3 (antiga BM&F), os contratos de maio/18 sinalizam queda nos preços, frente às cotações vigentes no mercado físico.

No entanto, os recuos estão menores e refletem as incertezas climáticas e a menor oferta. Os contratos com vencimento em maio/18 e julho/18 ficaram cotados em R$37,75 e R$36,70 por saca de 60 quilos, respectivamente (23/3).

Os menores valores estão previstos para setembro/18, com a saca cotada em R$34,60, e já com o peso da colheita da segunda safra. Veja a figura 2.

Figura 2.
Preços do milho grão na região de Campinas-SP no mercado físico e contratos futuros* na B3, em R$ por saca de 60 quilos.

*Fechamento 23/3.
Fonte: Scot Consultoria

Considerações finais

Em médio prazo esperam-se ofertas a preços menores no mercado interno.

Apesar da menor produção em 2017/2018, os estoques maiores são um fator limitante para as altas de preços.

Para o pecuarista que precisa de milho para o segundo semestre, a sugestão é aguardar para negociar lá na frente, na “boca” da safra, período de maior disponibilidade interna.

No entanto, devido a algumas incertezas sobre a produção brasileira e diante de uma demanda aquecida, o mercado poderá tomar outro rumo, em uma situação de redução maior na oferta interna do que as projeções vigentes.

Para se prevenir de uma possível retomada do movimento de alta o pecuarista pode fazer uso de ferramentas de proteção de preços.