Para onde vão os preços do açúcar e etanol? Uma visão de curto prazo

Subir provavelmente.

  Centro-Sul Norte-Nordeste
Açúcar Viés de alta. Relativa estabilidade com viés de alta.
Etanol Anidro Relativa estabilidade com viés de alta. Relativa estabilidade com viés de alta.
Etanol hidratado Relativa estabilidade com viés de alta. Relativa estabilidade com viés de alta.

(*): Relativa estabilidade: preços iguais aos da semana passada + 1% 

Fatores que influenciam os mercados e preços no curto-prazo. Considerações sobre o trading.

Mercado interno de açúcar e etanol:

Região Centro-Sul:

Açúcar exportações de açúcar em volumes acima da previsão e preços externos, que dão suporte para preços, criam um ambiente de oferta restrita no mercado interno. A maior remuneração do etanol para a usina, com maior liquidez que açúcar, reforça a condição de preços em alta.

Etanol – a competitividade do etanol na bomba segue estimulando a demanda e dá suporte aos preços. Os preços do petróleo e gasolina no exterior seguem em níveis de preços favoráveis a preços mais altos do etanol no mercado doméstico.

Região Norte-Nordeste:

Açúcar – esperamos relativa estabilidade de preços com viés de alta. Os preços em alta na região CSUL e o suporte de preços do mercado internacional de açúcar agem a favor de uma recuperação de preços na região nesta semana.

Etanol: esperamos relativa estabilidade de preços com viés de alta devido ao suporte de preços do CSUL.

 

Mercado internacional de açúcar, petróleo e taxa de câmbio:

Açúcar: o mercado de futuros de açúcar voltou a subir na última semana e rompeu o nível de 15 cents/lb. Os argumentos para este movimento seguem baseados no viés mais alcooleiro da safra brasileira, que por sua vez, tem suporte nos preços do petróleo e gasolina. No curto prazo esta condição deve prevalecer. Fundos comprando.

Petróleo: Após uma sequência de altas os preços da gasolina e petróleo recuaram na última semana. Nada novo aconteceu que seja relevante para os fundamentos de curto prazo. Uma correção técnica de baixa é possível estar ocorrendo.  Até o final de novembro, quando teremos a discussão do novo acordo de controle global da produção o ambiente para preços é de alta.

Câmbio: O dólar segue oscilando dentro do intervalo 3,25-3,30 R$/US$ nas últimas quatro semanas.

O ambiente político no Brasil vem melhorando lentamente. Isto graças às mudanças previstas no ministério do govêrno Temer, voltadas para o atendimento das reinvidicaçoes da sua base aliada. Com isto aumenta a probabilidade de aprovação das reformas pretendidas pelo Govêrno.

No exterior, os investidores monitoram o avanço da reforma tributária no Congresso dos Estados Unidos, depois que a Câmara aprovou a proposta . No Senado, entretanto, não está garantida a aprovação. 

Ou seja,  a taxa de câmbio mostra maior probabilidade de baixa nesta semana.

 

Julio Maria M. Borges ……Sócio-Diretor da JOB Economia e Planejamento……                                site: www.jobeconomia.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *