MST invade Lavoura e Pecuária IGARASHI na Bahia

O colega e comentarista da Rede Jovem Pan, Marcelo Madureira, comentou no jornal da manhã de ontem (08) sobre os ensandecidos, loucos e terroristas de uma Facção do MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra no município de Correntina, Estado da Bahia, que invadiram e destruíram a fazenda Igarashi na semana passada.

Veja o vídeo do momento da invasão: https://www.youtube.com/watch?v=1SuN2IT1fMM&feature=youtu.be

As cenas do vídeo dos devastadores são impressionantes! Pareciam furiosos, com gritos estridentes. Botaram abaixo a rede de energia elétrica e destruíram pivôs de irrigação que queimaram onze tratores.

Ou seja, o MST mais uma vez comete um gigantesco erro estratégico de imagem pública, o que o coloca cada vez com menos credibilidade e ao lado da completa imoralidade.

O tema MST foi tratado recentemente no programa A Hora do Agronegócio, na Rádio Jovem Pan (veja a entrevista: https://video11.mais.uol.com.br/16345631.mp3) com o Prof. Zander Navarro, da Embrapa, onde os dados apresentados por ele são de arrepiar e mostram prejuízos muito maiores do que foram mostrados. A Igarashi atua sob todos os rigores da lei e certificações ambientais, produzindo hortaliças e legumes para abastecer o mercado interno, sob rigoroso cuidado e trato da sustentabilidade.

 

O que temos agora é um assunto mal divulgado e debatido, principalmente a questão da doação de 80 milhões de HA em assentamentos para a Reforma Agrária, sem dados disponíveis da sua produtividade, com cerca de um milhão de famílias assentadas, e que pasmem leitores: sem nenhum título de propriedade para ninguém, representando um custo gigantesco para um projeto humanitário, onde na verdade, cada assentado será sempre um escravo… nunca terá a posse do seu lote.

Uma escravidão mórbida, só possível de ser concebida por líderes nefastos de algo que jamais poderia ser chamado de esquerda ou de comunismo. Não passa de uma estratégia de manutenção de alguns no cockpit do poder do movimento, que se serve da vitimização de suas vítimas, que para o bem do movimento precisam para sempre padecer no inferno da miséria vitimizadora.

 

Afinal, quem manda no INCRA, ele próprio ou o MST? O que farão com os 80 milhões de hectares já dados na maior Reforma Agrária do mundo?

3 respostas para “MST invade Lavoura e Pecuária IGARASHI na Bahia”

  1. Nilton Soares disse:

    O verdadeiro problema que acontece em Correntina é o CONFLITO entre a Agricultura High Tec (super produtiva) e a Agricultura Arcaica (muito improdutiva). A VERDADE é que as Fazendas High Tec são muitíssimas mais produtivas, além disto produzem alimentos muito mais baratos. Podem vender alimentos muito mais baratos á população. E o que fazem os agricultores sem-terras ligados á Igreja Católica. Como são improdutivos e só conseguem produzir alimentos há um preço muito caro. Fazem como os ludistas do século XVIII saíem quebrando tudo. No passado tinhamos os “os quebradores de máquinas”. Agora no século XXI temos ” os quebradores de Fazendas High Tec” . È MENTIRA da Igreja Católica que essa situação em Correntina tem haver com a questão de água. A Verdade á Igreja Católica sempre esteve errada. Esteve errada na INQUISIÇÃO,nas CRUZADAS, na REFORMA e está tremendamente errada agora.
    Um ALERTA !!!!!! Os LUDISTAS do seculo XXI (os quebradores de fazendas) tudo indica vão sair por aí quebrando todas fazendas high Tec que encontrarem pelo caminho. Essa é a ‘solução” para o problema deles.

    • Nilton Soares disse:

      Mais informações sobre os ludistas. https://pt.wikipedia.org/wiki/Ludismo . Tudo indica que estão revivendo um “ludismo” no campo brasileiro. Meu vizinho é muito mais produtivo e consegue produzir mais barato do que eu.
      Solução ! Vou lá e quebro a fazenda de meu vizinho.
      Depois invento um hipotético mal que está mim fazendo. Eu,um coitado. E da-lhe coitadismo.
      Fica o alerta. Tudo indica que vão continuar quebrando fazendas high tec que encontrarem pelo caminho. A Igarashi é só uma na lista de muitas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *